terça-feira, 29 de novembro de 2016

Contos de provador - Chanel Nº5

Na entrega das peças, já na hora da despedida, o bate papo com a cliente marcou a minha noite:

_ Não teremos amigo oculto este ano, essa crise quebrou o orçamento dos funcionários.

_ Você me fez lembrar de quando eu era bem mais nova,cabelos negros, lisos e encantadores.Fizemos o amigo oculto da minha empresa, era meu primeiro emprego. Meu atual marido também participou desse amigo oculto, mas ainda não seria naquele momento que se revelaria mais do que amigo. Quem tirou meu nome na brincadeira de final de ano foi o gerente da empresa. Ele me deu um Chanel Nº5.

_ Uhm, que delícia!

_ Eu também achei o perfume uma delícia, mas o pessoal da empresa começou a dizer que eu tinha um caso com o gerente, já que se tratava de um presente muito caro.

_Eita, não tinha pensado nisso.

_ Pois é,nem eu, mas os colegas de trabalho daquela época pensaram. Não sei se meu gerente também pensou na possibilidade.

_ Ainda usa o mesmo perfume?

_Não. Naquela época eu achava uma delícia, mas hoje conheci o processo e de onde vem a matéria prima, parece que extraem da Amazônia, de uma maneira não muito ética. A gente muda nossos valores, ainda bem! Ah, sim! Estou casada desde aquela época com a mesma pessoa, que não me deu nenhum perfume caro, só tratou de me conquistar com armas à prova do tempo.

Esta última palavra, "tempo", saiu de seus lábios com a mesma velocidade em que seu corpo cruzou a porta; pareceu-me meio arrependida de relatar um pedacinho de si a uma estranha conhecida. Acenei com uma das mãos e agradeci o compartilhamento espontâneo da história.

Claro que lembrei da célebre frase de Marilyn Monroe. Ao ser questionada sobre o que usava para dormir, respondeu "Apenas duas gotinhas de Chanel Nº5." Apenas duas gotinhas de Chanel Nº5 e tempo para mostrar o que realmente importa nessa vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário